16.4 C
Londres
terça-feira, maio 24, 2022
CasaChamadasProcon-SP aplica R$ 3 Milhões em Multas por Práticas Abusivas durante a...

Procon-SP aplica R$ 3 Milhões em Multas por Práticas Abusivas durante a Pandemia

Encontro:

Histórias relacionadas

Verifique as tendências da bolsa de valores para o 2º semestre

Verifique as tendências da bolsa de valores para o...

Vendas do Tesouro Direto tornam a superar resgates após cinco meses

Vendas do Tesouro Direto tornam a superar resgates após...

Vendas do comércio aumentam 6,1% no fim de semana da Black Friday

Vendas do comércio aumentam 6,1% no fim de semana...

Vendas de Carros têm Redução de 31% em julho

Vendas de Carros têm Redução de 31% em julho ...

Veja quais serviços do Detran-MT que podem ser feitos de forma on-line

Veja quais serviços do Detran-MT que podem ser feitos...

Farmácias receberam maioria das autuações durante a pandemia

O de São Paulo aplicou mais de R$ 3 milhões em multas por em todo o estado desde o início da pandemia do novo coronavírus.

Segundo balanço divulgado nesta sexta-feira (24) pelo Procon-SP, 12 farmácias receberam a maior parte das autuações – R$ 2,3 milhões. Também foram multados 12 supermercados, em um total de R$ 800 mil. Além disso, foram aplicadas sanções a oito revendedores de gás.

Desde março, o órgão de defesa do consumidor fiscalizou mais de 5 mil estabelecimentos comerciais em 302 municípios paulistas. O Procon-SP tem atuado para coibir preços abusivos, especialmente em itens essenciais, como álcool em gel, máscaras de proteção, alimentos e gás de cozinha.

Além das fiscalizações, o órgão de defesa do consumidor registrou aumento de 45% nas reclamações até junho. Foram mais de 300 mil atendimentos, sendo 120 mil relacionados a vendas online, 47,5 mil a energia elétrica e 7,9 mil sobre escolas e faculdades.

Enel

Há cerca de duas semanas, o Procon-SP multou em R$ 10,2 milhões a concessionária de energia Enel, após receber, de 1º de junho a 7 de julho, mais de 21 mil queixas sobre valores elevados nas contas de luz.

De março a maio, a distribuidora deixou de fazer a leitura de consumo de forma presencial, por causa da situação de calamidade pública, e fez as cobranças com base na média dos meses anteriores.

De acordo com o Procon-SP, o método adotado pela concessionária “gerou faturamentos incorretos e transtornos aos consumidores”. Além disso, para conseguir o parcelamento das contas sob questionamento e evitar a suspensão dos serviços, os solicitantes precisaram fazer uma “confissão de dívida”, prática considerada abusiva, acrescentou o órgão de defesa do consumidor.

Original de Agencia Brasil


Tagged: , , , , , , ,

Leave comment

Your email address will not be published. Required fields are marked with *.



 


 




Se inscrever

- Nunca perca uma história com notificações

- Obtenha acesso total ao nosso conteúdo premium

- Navegue gratuitamente em até 5 dispositivos ao mesmo tempo

Histórias mais recentes